segunda-feira, 11 de julho de 2011

"As palavras são sempre insuficientes e nós podemos sempre tomá-las como esperança. Mas contra a morte elas não ajudam. Talvez possam servir contra a dor que se sente em relação à morte. Mas a literatura não é um meio de curar a dor, como uma aspirina contra a dor de cabeça. A literatura não é prática, mas perigosa. "

Péter Esterházy, escritor Húngaro. Para a Folha.com

sábado, 2 de julho de 2011

Pudor: sentir a vontade, mas não se sentir à vontade. Cynthia Osório